4 de outubro de 2006

Avaliação dos funcionários públicos: chefias estão a utilizar excessivamente critério de avaliação nº4 "alcunha secreta do chefe"

Segundo o Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, os dirigentes cometeram “erros grosseiros” na fixação dos objectivos. Um dirigente do sindicato ficou estupefacto com o estabelecimento de todos os funcionários terem que aprender a trabalhar em Excel no máximo até 2020. O STE escreveu ainda ao Presidente da República pedindo que todas as avaliações negativas resultantes da descoberta de que alcunha secreta do chefe era “boi-cavalo”, “pitosga suíno” ou ”meia-leca” sejam revogadas. A Frente Comum prevê que os serviços em que se notará um maior impacto em termos de adesão à greve serão nas repartições onde o chefe obriga todos a comerem pizzas com extra-queijo e a rodadas infinitas de shots de cidra com absinto puro. Os funcionários alegam de que os critérios filiação clubística e partidária também estão a ser usados abusivamente. O governo já respondeu acusando a STE de profunda hipocrisia já que o critério partidário sempre foi extremamente valorizado na avaliação do funcionário.