18 de outubro de 2006

Assistentes de Call-Center atendem telefonemas pessoais da mesma forma que os profissionais

Segundo Marta Crawford, os homens portugueses ainda têm diversos tabus para com as companheiras, como o facto de não terem coragem de responder com verdade à pergunta feita pela namorada, assistente de call-center: “Em que posso ser útil?” Segundo uma sondagem, 27% dos namorados destas profissionais confessa não ter uma vida conjugal satisfatória porque a namorada lhes diz, num domingo: “Obrigada por teres aguardado. É acidente ou avaria?" A razão mais forte para o descontentamento continua a ser a obrigação de fornecer o n.º de apólice para iniciar uma conversa, seguida da obrigatoriedade de pressionar a tecla 1 para combinar um jantar.