2 de abril de 2008

Governo justifica legislação com o facto de a indústria dos casamentos servir como plataforma de lavagem de dinheiro do tráfico de droga e terrorismo

O governo apresentou um conjunto de esclarecimentos para elucidar quais aos objectivos dos novos procedimentos das finanças. Segundo o governo, as cartas enviadas pelo fisco aos contribuintes recém-casados solicitam informações como facturas, valores praticados e a identificação fiscal de prestadores de serviços mas estas não violam a vida privada dos contribuintes, tratando-se apenas da última fase legislativa de transposição para o direito português das prerrogativas da decisão-quadro assinada pelos Estados-membros da União europeia relativa à luta contra o terrorismo. "Alguns grupos criminosos internacionais introduzem dinheiro na indústria dos casamentos para dissimular ou esconder a origem ilícita dos seus activos financeiros ou bens patrimoniais, além de que muitos dos novos terroristas actualmente em formação nos campos de treino da Al-Qaeda eram empregados de catering, floristas e fotógrafos e vice-versa", afirmou Teixeira dos Santos.