28 de fevereiro de 2008

Sol alega que começou a chover depois de manchete a avisar dos perigos da seca

Depois da escolha de Alcochete para o futuro aeroporto, o Sol continua a apregoar que as suas manchetes são o principal motor da mudança em Portugal. Na última edição do semanário dirigido por Saraiva, a manchete alertava para o facto de que há 91 anos que não chovia tão pouco em Portugal e o caderno principal incluía várias páginas com opiniões de especialistas que alertavam para o risco das falências na agricultura. O director alega que o excessivo volume de chuva se deveu ao tamanho das letras da manchete do Jornal "Sol". A influência que José António Saraiva exerce sobre os acontecimentos do mundo já dura há várias décadas: A crise dos mísseis de 1962 em Cuba não resultou em guerra nuclear porque Kruschev, o Primeiro-ministro da URSS na altura, tinha lido a crónica de Saraiva no pasquim juvenil "A Patada" e concordou em retirar os mísseis de Cuba.