7 de outubro de 2010

Relatório do Estado da Liberdade de Imprensa: quantidade de jornalistas mortos benéfica para a dinamização do mercado laboral do jornalismo

De acordo com o relatório do Estado da Liberdade de Imprensa, nos primeiros oito meses deste ano morreram 52 jornalistas no exercício da profissão. Esta situação acaba por prejudicar o futuro de jornalistas de países mais pacatos, como Portugal. “Com a quantidade de jornalistas mortos e raptados nas Honduras, México e Paquistão, qualquer jornalista desses países está descansado porque sabe que terá um emprego garantido dentro de pouco tempo. É uma questão de esperar que os seus colegas morram”, afirmou a directora interina do Instituto Internacional da Imprensa.