25 de agosto de 2010

Simulações de Aimar estão com menos qualidade teatral que no ano passado

O Benfica está uma sombra do ano passado também ao nível da manha futebolística, um dos pontos fortes da equipa do ano passado. Pablo Aimar, que no ano passado simulava faltas e grandes penalidades com a qualidade teatral de uma Meg Ryan a simular orgasmos no filme “Harry e Sally – Feitos um para o Outro”, este ano passou a uns meros laivos de frete sexual e está a causar enorme tédio a todos os “Billy Crystal” que apitam nos relvados portugueses. “No ano passado, havia uma sincronização de movimentos do Aimar que nos ludibriava com enorme charme e classe. As quedas do ano passado surgiam no timing perfeito e pareciam ser sempre a consequência lógica de um contacto físico do opositor. Este ano não temos o pezinho a procurar o contacto e não temos aquele truque de travar a corrida de forma repentina para que a entrada por trás do adversário lhe acerte. Muito fraquinho”, afirmou um árbitro.