17 de agosto de 2010

Justiça portuguesa tem o dobro da área ardida em relação ao ano passado

O aumento significativo da área ardida na Justiça, face a igual período de 2009, deve-se às condições climatéricas do caso Freeport. Nas duas últimas semanas arderam 160 227 hectares de mata e 70 mil hectares de povoamentos pertencentes a Pinto Monteiro e mais de 130 mil hectares de mato pertencente a Cândida Almeida. Segundo os últimos dados, ainda estão activos 456 incêndios desde o dia em que presidente do Sindicato dos Magistrados afirmou que Pinto Monteiro não era independente do poder e estão mais duas centenas de incêndios por apagar depois das chamas provocadas pela notícia que dava conta de que Cândida Almeida negociou a inclusão das 27 questões no despacho final como contrapartida pela não inquirição do primeiro-ministro e ministro da presidência. Segundo um especialista, o maior problema é que quem devia estar a apagar os fogos da Justiça está a usar Canadairs para lançar quantidades industriais de gasolina por cima dos fogos e a situação acaba por piorar ainda mais.