24 de agosto de 2010

Gestor da Apple acusado de dar informação confidencial em troca de dinheiro está horrorizado porque é obrigado a usar computador da Microsoft que crasha a toda a hora na prisão

Um gestor de vendas da Apple está em prisão preventiva sob ordens do Tribunal Federal da Califórnia por acusações de branqueamento de capitais, corrupção e fraude. Paul Shin Devine, que terá dado informações confidenciais sobre o iPod e o iPhone a fornecedores asiáticos, está a ser completamente humilhado na prisão. O gestor da Apple foi obrigado a fazer uma tatuagem com o logo da Microsoft, é forçado a apanhar sabonetes no duche com a foto do Bill Gates e o puré de batata tem sempre escrito Windows XP. Ao contrário dos seus colegas de cela, que usam um Mac Pro de 12 núcleos de poder de processamento, o gestor da Apple é obrigado a usar um Pentium com 1 giga de RAM e com o Windows Vista Ultimate instalado. Depois de a imagem ter ficado parada no monitor, situação habitual no dia-a-dia de um utilizador da Microsoft, Paul apercebeu-se que nem o ctrl+alt+del funcionava e tentou enforcar-se com o fio do rato.