29 de julho de 2010

Sócrates ordena contratação de 600 mil pessoas para trabalhar no Censos 2011 para garantir pleno emprego

A operação Censos 2011, 15º Recenseamento Geral da População e 5º Recenseamento Geral da Habitação, será a maior aposta de José Sócrates para fazer de Portugal o país com melhores indíces de desenvolvimento económico e humano do mundo. Segundo o governo, esta operação custará aos cofres do Estado mais de 2 mil milhões de euros e irá empregar cerca de 10% da população activa, população que irá auferir ordenados superiores a 5 mil euros mensais, colocando Portugal no primeiro lugar do ranking do PIB per capita. De salientar que esta medida não é uma total inovação. Em 1864, ano do primeiro Recenseamento Geral da População, o rei D. Luís I, o Popular, gastou uma fortuna para manipular os dados, repetindo a dose em 1878, deixando os cofres do Estado sem dinheiro para o rei D. Carlos I, o Martirizado, poder aldrabar no recenseamento de 1890.