8 de outubro de 2007

Peluche de Aquilino Ribeiro tinha ADN do rei D. Carlos

Alguns grupos organizados que contestam a transladação de Aquilino Ribeiro para o Panteão recuperaram uma das versões mais conhecidas do Regicídio. Os cães ingleses detectaram um rasto de morte e um perfil de ADN correspondente ao do Rei D. Carlos no peluche de Aquilino Ribeiro, um estranho urso felpudo coberto de símbolos maçónicos como o compasso e o esquadro. O brinquedo envergava um avental maçónico do grau Grande Oficial Ad Vintum. A Polícia Judiciária encontrou grandes quantidades de cabelo e fluídos que correspondem em 80 a 95% ao ADN do Rei D. Carlos na tampa do fundo falso da bagageira do Ford T, alugado por Aquilino 25 dias depois do Regicídio à empresa Carbonária Rent a Car.