20 de outubro de 2007

Lançada primeira experiência de produção de electricidade a partir de ondulação de piscina frequentada por gordos

Portugal está a usar um dos maiores malefícios sociais, a obesidade, para recolher vantagens práticas. O investimento é financiado em quinze por cento por apoios públicos, no âmbito do programa de incentivo à modernização da economia (PRIME). Os dispositivos vão ser instalados na piscina Oceânica de Oeiras, prevendo-se que até ao final do ano já terão capacidade para uma produção média anual de sete gigawatts por hora, capaz de suprir as necessidades de mais de seis mil habitantes. Segundo o representante do consórcio, a razão por que Portugal foi escolhido é simples e fácil de entender. "É um dos países com mais obesos quer em adultos quer em crianças, sendo que, ao mesmo tempo, é um país que garante uma grande utilização das piscinas ao longo do ano graças ao seu clima. Além disso, os obesos portugueses são mais divertidos que os obesos de outros países, mergulham mais e saltam quatro vezes mais da prancha que os seus congéneres europeus", afirmou.