29 de junho de 2010

Nova versão de Jangada de Pedra conta a história da separação geográfica dos países europeus do sul da europa com finanças falidas do restante território da zona do Euro

A nova versão da Jangada de Pedra conta a história da separação geográfica dos países europeus com graves problemas orçamentais e mau rating do restante continente europeu. Tal como na obra original, os países falidos europeus movem-se rumo ao continente Americano. Nesta obra fica bem patente a facilidade com que a crise de um país consegue contaminar os restantes países, neste caso porque estão à frente e são empurrados. O colapso da Grécia faz empurrar o Sul de Itália, Creta, Tunísia, Argélia e restante Norte de África. O colapso leva a Hungria a empurrar a Croácia, a Eslovénia, o Norte de Itália e o sul de França, poupando a Alemanha, a Aústria e a Suiça devido ao vento estar para Sudoeste. Quando a Península Ibérica já está a empurrar os Açores, a Autoeuropa encerra as portas, levando Palmela a empurrar a Moita, gerando toda uma zona que vai desde o Seixal até Alcochete a colar-se a Lisboa. No final da história, dá-se um colapso em Wall Street que provoca a separação geográfica do território Americano para leste. O choque frontal entre a Gare do Oriente e Manhattan acaba por ser fatal, levando à destruição de um quarto do mundo.