22 de novembro de 2007

Pescador do livro O Velho e o Mar de Hemingway ficou na falência porque chamou o INEM durante a luta com o peixe e teve que pagar à Força Aérea

As operações de socorro a pescadores no alto-mar cobradas pela Força Aérea já prejudicaram bastantes pessoas, algumas ilustres. O pescador Santiago do romance de Ernest Hemingway "O Velho e o Mar" enfrentou um penoso caso judicial em que o Estado português solicitou o pagamento de uma verba de 13 mil pesos pela assistência durante uma luta com o peixe-espada de 500 quilos, em Outubro de 1952. Mas este não foi o único caso de uma personagem da Literatura a ser vítima da insensibilidade da Força Aérea. Ismael, o sobrevivente do romance de Herman Melville, Moby Dick, teve que arcar com todas as despesas, incluindo as do Capitão Ahab. Também o rapaz do conto Infantil "A Menina do Mar" de Sophia de Mello Breyner viu a sua gruta penhorada.