8 de novembro de 2007

Fair-play no Parlamento: debates param sempre que um deputado tenha uma branca, sede ou tosse

A Assembleia quer inverter a actual tendência do futebol português, em que algumas equipas têm instruções para não mandar bolas para fora sempre que algum jogador adversário esteja deitado no relvado a pedir assistência médica. Todos os deputados deverão desligar o seu microfone sempre que um dos deputados peça assistência técnica, mesmo que Jaime Gama não tenha dado ordens para a interrupção. Os deputados poderão alegar um conjunto variado de situações como palpitações, rouquidão, voz nasalada, espirros recorrentes, salivação excessiva, ansiedade, indecisão, dúvida, confusão mental, insegurança ou falta de coragem. A assistência técnica do Parlamento será composta por pessoal especializado, diversos carrinhos de macas e sprays milagrosos que melhoram o raciocínio. Os debates só serão retomados quando o deputado estiver recuperado ou, caso não recupere, será substituído por um deputado suplente, estando limitadas as substituições ao máximo de três deputados por grupo Parlamentar.