22 de abril de 2007

ASAE está a investigar casos de sofás-cama usados para turismo paralelo

A ASAE instaurou 239 processos de contra-ordenação a alojamentos turísticos, que se dedicam ao turismo para pessoas anãs, de forma a rentabilizar a lotação das casas. Segundo um inspector, os algarvios estão muito mais evoluídos e utilizam a internet para divulgar os seus serviços a targets muito especificos, com o intuito de obter rendimentos avultados. A "Operação Camas Paralelas" desmantelou uma rede de casas que explorava o nicho do turismo de habitação para ciganos e uma outra rede que estabelecia parcerias com institutos orientais que vendiam packs para pessoas que têm dores de costas e que querem experimentar dormir no chão. A ASAE já tem acesso "na hora" aos dados pessoais de compradores de sacos-cama, espreguiçadeiras e beliches. A ASAE apreendeu panfletos de empresas algarvias da área do Turismo que se dirigiam ao target dos peregrinos do Caminho de Santiago de Compostela, que se sentem especiais e dignos porque optam por dormir em grupo e em constante desconforto.