24 de maio de 2011

Passos Coelho vai vender 7 cantos dos Lusíadas à Sonangol

O partido de Passos Coelho tem um programa robusto de privatizações. Além de alienar a TAP, REN, ANA, CP Carga e Transtejo/Soflusa, entre outras, o PSD pretende abrir a obra poética de Luís Vaz de Camões aos privados. Segundo o Jornal de Negócios, a Sonangol é vista por Passos Coelho como um dos parceiros estratégicos em alienações do Sector Cultural do Estado. Caso o PSD ganhe as eleições, o Estado vai vender 712 estrofes por 37 milhões de euros, ficando apenas com três cantos inteiros e ainda com 100% do capital da Cilada em Mombaça, 100% da Chegada a Melinde, 87, 5% da Batalha de Ourique do Canto III, 2 dos três episódios do Adamastor e 49% de A Ilha dos Amores. O Estado vai ainda alienar 65% da obra de Gil Vicente, 70, 56% de Sá de Miranda, 36% da obra de Padre António Vieira, 80% de Almeida Garrett, 45% de Alexandre Herculano, 53% de Eça de Queiroz, 49% de Ramalho Ortigão, 51% de Camilo Castelo Branco e dois heterónimos de Fernando Pessoa.