4 de dezembro de 2009

A crise nos sonhos: pessoas não conseguem vir à tona da água devido à presença de traineiras

Os sonhos dos portugueses já começam a reflectir os actuais problemas económicos. Os cenários típicos dos sonhos registam algumas alterações face a 2008. Os centros de emprego estão situados no cume das montanhas, os campos verdejantes têm manifestantes da CGTP, as facas e armas usadas nas lutas são compradas no chinês e as perseguições de carros são interrompidas por falta de combustível. “Os sonhos actuais inspiram-se muito nas peculiaridades dos sonhos sensuais. A pessoa está a levantar 200 euros no Multibanco e o sonho termina abruptamente no exacto momento em que se ouve o barulho das notas e a ranhura a abrir”, afirmou uma especialista em interpretação de sonhos.