4 de novembro de 2009

Novos ministros foram alugados a empresa de trabalho temporário

As actuais condições políticas forçaram Sócrates a optar por uma política de recursos humanos semelhante às empresas que estão em situação transitória e que preferem não assumir o custo de contratação de funcionários regulares. Segundo a Egor, esta parceria é extremamente vantajosa para o contratante. “Antigamente, cada ministro assinava um contrato de uma legislatura, um enorme encargo em caso de remodelação ou queda de governo. Agora nós fornecemos os ministros e o pagamento é feito ao dia a recibos verdes”, explicou um responsável pela empresa.