28 de junho de 2006

Associação de Barrigas de aluguer quer lei idêntica à lei das rendas

Marina é uma barriga de aluguer profissional. Segundo a própria: “Safei-me até os chineses terem atacado o mercado. A malta tem pressa e prefere gastar menos por um puto que já está feito”. Marina considera que a actual lei não permite um aluguer de barriga em condições porque protege mais os que alugam as barrigas e menos as barrigas-senhorias e exemplifica: “As rendas estão congeladas e são baixas. Ter um puto na barriga dá muita despesa e com estas rendas eu só tenho dinheiro para porcarias. A lei devia punir com ordem de desmancho atrasos de três meses de renda. Se nasce o puto e eles não pagam os últimos três meses, fica o puto para mim e não se fala mais nisso. Se uma gaja é gira e tiver corpo de manequim merece receber mais do que se for uma gorda feia. Os genes têm um valor de mercado que o Governo se recusa a atribuir. Se eu não recebo incentivos não faço a minha lipo e deixo-me estar”.