28 de junho de 2006

Farmacêuticos afirmam-se como os únicos capazes de dizer "toma isto de 8 em 8 horas"

Segundo um especialista bem avençado, a abertura do negócio das farmácias a outros que não sejam licenciados em Farmácia tem resultados nefastos para a saúde pública. Um farmacêutico impõe uma barreira, não dá confiança, tem os doentes nas palminhas e as pessoas obedecem-lhe. Depois é sempre alto, magro e nunca tem barriga. Estes empresários não vão ter um aspecto saudável e perde-se a referência da pessoa da farmácia como exemplo de vida. José Carlos, viciado em farmácias de serviço desabafa: “Vou sentir falta daquele olhar de soslaio depois de eu pedir 3 caixas de retardantes coloridos com espermicidas e ultra-sensíveis. Segundo um farmacêutico: “Quero ver qual é o gajo que vai descodificar a letra terrível dos médicos”.

Publicado no Inimigo Público, 2 de Junho, 2006