4 de janeiro de 2008

Paes do Amaral vai fazer fusão de obras de Saramago e Lobo Antunes

O objectivo de Paes do Amaral de criar o maior grupo editorial de língua portuguesa com a aquisição de diversas editoras poderá ter consequências profundas para a literatura portuguesa. Tal como acontece nos grandes grupos económicos com a reestruturação dos Recursos Humanos, também a aquisição da Dom Quixote poderá provocar a fusão literária entre Lídia Jorge (D. Quixote) e Gonçalo M. Tavares (Caminho), depois de Paes do Amaral ter falhado o acordo entre Gonçalo e Gabriel Garcia Marquez, que preferiu fundir-se a Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. A fusão literária entre Lobo Antunes e Saramago poderá não ser fácil de concretizar depois de Saramago ter recusado dar carta branca para que Lobo Antunes refizesse sozinho todos os romances antigos de Saramago que, em vez dos royalties, receberia uma avença mensal.