11 de junho de 2008

Lágrimas de fãs de Tokio Hotel poderão ser usadas como combustíveis

Um grupo de investigadores aproveitou o concerto dos Tokio Hotel no Rock in Rio para testar uma nova alternativa energética que poderá atenuar o estado de pânico provocado pelos preços absurdos do petróleo. O grupo de especialistas que instalou um sistema de tubos para extrair o líquido da glândula lacrimal de alguns fãs ficou absolutamente estarrecido com a quantidade de fluido lacrimal que um fã dos Tokio Hotel é capaz de produzir: cerca do triplo da quantidade produzida por fãs de Beatles e Elvis Presley nos anos 60. Segundo os investigadores, a lágrima possui todas as condições para ser usada como combustível para automóveis e terá um preço por litro de cerca de 10 cêntimos. Apesar do entusiasmo criado à volta desta alternativa, a opção pelo Emo Diesel já foi criticada. "O Emo Diesel não é inesgotável como o hidrogénio. Qualquer dia esses fãs crescem, ganham juízo e, se a banda não conseguir manter o sucesso e renovar os fãs, as reservas poderão esgotar-se rapidamente", afirmou um crítico.