5 de junho de 2008

Incendiários não têm condições financeiras para atear fogos de larga escala

O aumento galopante do preço dos combustíveis em Portugal está a provocar enormes danos e sérios entraves à actividade de profissões inesperadas, além das consequências nos sectores habituais da economia. Os profissionais dos incêndios já expressaram o seu pessimismo. "Estou muito apreensivo para esta época de incêndios. O ano passado, ao preço a que a gasolina estava, conseguia sem grandes problemas produzir incêndios que queimavam 5 mil, 10 mil hectares de mato, daqueles de "proporções dantescas" como dizem os repórteres da TVI. Este ano não há condições. Ou se criam combustíveis alternativos mais baratos, ou o governo baixa o ISP ou então este ano eu não tenho possibilidades de fazer mais do que uns incêndios ridículos de 2, 3 hectares que serão ainda mais ignorados pelos média que o Neto da Silva ou o Patinha Antão e que, na melhor das hipóteses, serão filmados por um desses cidadãos repórter a que ninguém liga peva e terá, no máximo, uns 50 views no you tube", afirmou um incendiário.