10 de janeiro de 2007

EUA arranjam novos pretextos para guerras: atacar países que não protegem o urso polar

O Departamento do Interior norte-americano propôs a inclusão do urso polar na lista das espécies ameaçadas de extinção como mera manobra de diversão. O pretexto de destruir países por alegadamente terem armas de destruição maciça já não é suficiente para a Administração Americana porque esse pretexto não engloba muitos países. A maior ameaça ao urso polar é o sobreaquecimento global, o que no fundo significa que qualquer país do mundo poderá ser responsável, alargando o leque de escolhas dos Americanos para a guerra. Esta estratégia tem outras vantagens como o facto de não precisar de mentir tão descaradamente e porque a ONU não tem inspectores especializados em medir o índice de gases com efeito de estufa. O que terá provocado esta súbita mudança de estratégia terá sido o facto de Bush ter sido informado que os países com maior número de ursos polares são alguns dos maiores produtores de petróleo.