31 de agosto de 2005

Fico louco, tão louco

João Pedro Pais a meio de um concerto começou a dissertar sobre o mundo actual:

“Estamos a atravessar a maior crise de sempre em Portugal. Eu peço à malta nova. Jovens deixem-se de merdas. Esforcem-se para melhorarem isto. Trabalhem, não se metam na droga”.
Como se esperava desde esse dia que Portugal melhorou bastante. A criminalidade baixou para níveis zero, os incêndios acabaram, os jovens deixaram a droga e começaram a trabalhar.

As palavras do João Pedro Pais também tiveram efeito em mim. Deixei o emprego, incendiei a casa dos meus pai, fui ao Casal Ventoso e comprei quilos de cocaína e depois fui a Monsanto espancar raparigas da vida. Fui apanhado pela a polícia a fazer campanha eleitoral pelo Carrilho dizendo aos gritos: “Sinto-me louco, tão louco, louco por ti. Sinto-me louco, tão louco, fora de mim…”