14 de janeiro de 2010

Campeonato português de trintonas que se assumem como absolutamente independentes e que não precisam de um namorado para se validar está ao rubro

Esta explicada a razão que tem levado cada vez mais portuguesas a assumirem uma postura excessivamente cerebral e desapaixonada em relação ao sexo masculino. Esta modalidade desportiva tem ganho, ano após ano, um elevadíssimo nível competitivo e um aumento exponencial do número de praticantes de alto rendimento. "Estou satisfeita com a época que estou a fazer. Trabalho todos os dias para ser cada vez mais independente em termos emocionais e psicológicos e não precisar dos homens para nada. Este ano entraram umas raparigas de vinte e tal anos já com imensa tarimba e a competição está muito mais renhida. Na última jornada desperdicei dois pontos ao ter enviado uma mensagem para um homem a dizer que sentia falta dele. Se quero continuar a lutar pelo título, não posso repetir estes erros", afirmou uma trintona.

Publicado no Inimigo Público de 8 de Janeiro de 2010

Edição online do Inimigo Público aqui