5 de fevereiro de 2007

Primeira pedra colocada por Sócrates no Aeroporto de Beja custou 3 vezes mais que o previsto

O concurso público para aquisição da primeira pedra do Aeroporto de Beja correu dentro da normalidade. A empresa que melhor soube fazer uma subavaliação deliberada e intencional dos custos finais ganhou. A empresa comprometeu-se a colocar no aeroporto uma pedra de basalto, já que ao dono da obra foi pedido "material de classe para dar prestígio ao novo aeroporto". Como combinado, o dono da obra utilizaria os seus já célebres contactos nas zonas de cristas meso-oceanicas. "O basalto da Sibéria que adquirimos tinha excesso de material amorfo. O basalto que comprámos vindo do Havai tinha excesso de óxido de ferro e titânio e muito pouco piroxénio. O basalto brasileiro que pagámos foi roubado. O que vale é que o Cavaco fez-nos uma surpresa e trouxe basalto decente da Índia", afirmou o dono da empresa.