15 de dezembro de 2005

Repórter Biscoito foi para a rua questionar transeuntes sobre o TGV

A questão colocada era: O que é que acha do TGV?

Alfredo, 42 anos: Não concordo. Eu acho que já temos partidos suficientes. Não precisamos de mais um que ainda por cima é de esquerda, ecologista, humanista e pelas minorias e disso estou eu farto.

Maria dos Anjos, 58 anos: Olhe acho que assim o nosso querido Portugal não anda para a frente. Fala-se em crise, em crise, é estádios do Euro 2004, concertos no Pavilhão Atlântico e agora mais isso do TGV para quê? Olhe tenho uma prima minha que mora mesmo em frente que é a Isilda. Um dia estava ela lá no trabalho onde eu também já estive... Eu já estou reformada... Então não é que ela põe um pé em falso... olhe nem lhe digo nada... dá uma valente queda, deslocou a bacia... foi parar ao Hospital, aquele o dos Covões em Coimbra. Então não é que ela... ela caiu há dois anos... está ainda agora nas Urgências à espera para ser atendida? 2 anos!! E aquilo nem tem condições nenhumas... a mulher ainda não foi atendida e ninguém explica nada. Nas pessoas não pensam eles.

Pedro Ramalho, 33 anos : Está a perguntar-me do TGV mas qual? Há vários, não é? Temos o TGV PSE que é o Paris Sud-Est de 1º geração de 81. Aqueles vermelhos que ainda são feitos com 100 e tal composições. Temos o da 2º geração de 1989 o TGV Atlantique, temos o TGV Duplex que é da 3º geração feito em 1996 com dois pisos com 516 lugares e apenas 15 composições. E há ainda o TGV Thalys Pbka que é da 3º geração mas só com um piso e ainda menos composições.

Biscoito: Mas senhor Pedro Ramalho, não interessa o modelo. Concorda com a ideia de construir o TGV, em Portugal? Sim ou não?

Pedro Ramalho: Olhe não sei. Combóios não é a minha especialidade. Eu tirei Gestão Hoteleira e não falo do que não sei. Outros não sei mas comigo é assim.

Antunes, 46 anos: TGV? Tá bem tá! Anda um gajo a trabalhar a vida inteira e esses chulos é sempre a mamar. Comigo não contam mais. Este país precisava era de um 25 de Abril mas a sério. Era fazer explodir com a Assembleia com esses filhos da p... lá dentro!

Sérgio Catalão: Quer saber a minha opinião como cidadão ou como profissional?

Biscoito: O que quiser.

Sérgio Catalão: Enquanto cidadão acho que este projecto é bastante precipitado. Nesta fase, Portugal não deveria hipotecar o futuro porque são investimentos gigantescos sem retorno. O TGV Lisboa Madrid é o fim da nossa economia porque é uma cedência aos espanhóis. O que eles querem é meter cá ainda mais rápido as mercadorias deles. O TGV Lisboa-Porto é um erro fatal. Os custos serão astronómicos e poderão custar 13 milhões de contos por kilómetro devido às exigências que uma linha TGV tem, ainda por cima com o relevo que essa zona tem. É um escândalo o Governo ceder às pressões das empresas privadas. Porque eles têm interesse nestas negociatas e o povo é que se lixa. Continuamos a ter políticos que não pensam a longo prazo e que cometem sempre o mesmo erro que é manter esta política de obras megalómanas que favorecem privados e clientelismos em vez de proteger os verdadeiros interesses públicos. Como Administrador da Siemens saúdo o Governo por esta decisão. Portugal não pode atrasar-se mais na busca do desenvolvimento. Tem de investir em infra-estruturas para não perder o desafio de ser um país competitivo, moderno e permitir o crescimento económico para que Portugal, mais tarde seja um país ao nível dos melhores países da Europa. O TGV é essencial nesta estratégia de colocar Portugal no Futuro e no caminho certo. A Siemens como empresa que fabrica TGV´s está disponível para colaborar com o Estado Português.

Cátia Samanta, 16 anos: Não conheço essa banda. É de Hip-Hop?

Joana, 28 anos: Olhe isso do TGV também vem para a linha de Sintra? É mais rápido e acho que valia a pena.

Vítor Barbosa, 40 anos: Acho muito bem o TGV em Portugal. Chega de atacar, de criticar tudo. Temos de acreditar em Portugal. Temos de ter mais respeito e auto-estima pelo país. Se os outros países têm TGV porque é que Portugal não pode ter? Somos menos que os outros é? Isso é o que os estrangeiros querem, pá! Eles têm receio de nós porque sabem do que nós somos capazes. Temos que mostrar ao mundo que nós em Portugal temos coisas boas e que vamos ser capazes de fazer o melhor TGV do mundo. O melhor, o maior, o mais rápido para surpreender o mundo. Para que Portugal seja falado lá fora porque isso é bom para o turismo porque as pessoas depois ficam curiosas, ouvem falar disso e querem ver. Nós somos um grande país! Isto já foi tudo nosso, pá! Este quadradinho já deu cartas lá fora, os Descobrimentos, o Eusébio, o Mourinho e com algum esforço chegamos lá.