17 de setembro de 2006

Professores admitiram que colocaram "qual é a sua graça?" na parte da identificação do aluno em exames nacionais só para tramar

Cerca de 20 mil alunos do 12º ano realizaram o exame nacional de “Introdução ao estudo do djambé”. O insólito aconteceu porque todos os exames foram entregues sem estarem identificados. Os problemas no exame foram apontados pela Fundação Fernando Girão, que no site oficial acusa o Ministério de prepotência. “Não perceberam e não colocaram o nome, paciência”, afirmou ao Biscoito, uma responsável pelo Gabinete de Avaliação Educacional (GAVE). Uma professora adepta do estilo de maquilhagem de Maria José Morgado, declarou ao Biscoito: “estudámos a legislação. Em caso de falta de identificação, o aluno dispõe de dois dias úteis imediatos à prova para se identificar perante o docente responsável pela avaliação. No caso de incumprimento, a prova considera-se sem efeito, equivalendo a falta à chamada. Nesses dois úteis fizemos greve. Não digam que não somos espertos”.